5 dicas para passar pelo processo de luto por um pai que...

5 dicas para passar pelo processo de luto por um pai que morreu muito jovem

0 120

Não desejamos esta situação a ninguém, mas se você estiver passando por isso essas dicas podem ajudar

O sofrimento pode ser um círculo vicioso. Além da perda de nosso ente querido, o sofrimento pode roubar nossa esperança e alegria, e até prejudicar nossas vidas espirituais. Depois de perder minha mãe nesta primavera, eu aprendi que, independentemente dos meus sentimentos, alguns dias eu deveria me levantar e continuar me movendo. Minha mãe pode não estar aqui; mas eu estou, e tenho o objetivo de continuar.

No meu tempo de luto, encontrei cinco maneiras eficazes de impedir o sofrimento de roubar minha esperança e alegria:

  1. Pagar um estranho para te ouvir

A terapia muitas vezes é vista como uma coisa ruim. Se eu admitir que estou vendo um terapeuta, as pessoas podem deduzir que minha fé não é forte o suficiente para lidar com a vida, ou pior, que estou louca e devem me evitar. Na verdade, quando eu era mais jovem, eu tinha esses pensamentos sobre terapia. Agora acredito que a decisão mais saudável que fiz desde a morte da minha mãe é pagar alguém para me ouvir e me ajudar a resolver minhas emoções fortes. Apesar de eu ter muitos amigos que eu posso conversar, um terapeuta é treinado para ouvir. Pago para ouvir.

Minhas sessões de terapia me permitem dizer coisas que eu não diria aos outros. Entre as muitas pessoas que Cristo envia para enriquecer nossas vidas, uma das mais bem-vindas pode ser um terapeuta treinado. Eu acredito que pagar alguém para ajudar a resolver os sentimentos difíceis é um ato corajoso de amor próprio. Perder um pai cedo e inesperadamente é uma estrada difícil. Encontrar alguém com quem você possa conversar sem guarda-costas fará seu passeio mais suave.

  1. Viajar

No verão, eu ajudei, como acompanhante, 163 idosos numa viagem de cross-country de 14 dias. Se houvesse alguma vez que eu precisasse ver as criações de Deus, como o Grand Canyon e as belas montanhas do Colorado, era agora! Depois de perder minha mãe, e pouco depois meu trabalho, o Senhor sabia que eu precisava de uma pausa na rotina da minha vida.

Viajar fornece tempo. Tempo necessário para refletir sobre eventos e seu significado em nossas vidas. E enquanto esta viagem de cross-country me obrigava a trabalhar às vezes, consegui um tempo precioso para pensar, enquanto desfrutava de lugares como Las Vegas e Hollywood. Nas palavras doces e nos ​​sorrisos amáveis de nossas idosas, lembrei-me que, enquanto a minha mãe havia partido e, sim, sua perda abriu uma ferida profunda, somente Ele pode curar. Através das profundas fendas do Grand Canyon e dos picos das montanhas do Arizona, cheguei a ver a majestade de Cristo. E eu aprendi que servindo os outros Ele nos ajuda a curar nossas feridas.

  1. Patrocinar uma criança

Um dos meus objetivos para este ano foi patrocinar uma criança de um país menos desenvolvido. Perder a minha mãe é um dos eventos mais dolorosos que eu já tive que suportar, mas estava determinado que, mesmo que eu ainda estivesse sofrendo, eu viveria uma vida de propósito. Esta determinação me impulsou a patrocinar Anahi, que é da Bolívia, antes do que eu imaginava se não estivesse sofrendo. Mesmo nos meus dias desanimados, tiro um tempo para me comunicar com Anahi, e encontro maneiras de incentivá-la. E a inocência de Anahi e a visão brilhante do mundo me encorajam. É outra maneira que, ajudando os outros, Deus ajudou a me curar.

  1. Ser amigo(a)

Quando eu era jovem, nunca pensei muito nas amizades. Senti que elas eram importantes, mas não valia a pena ficar obsessivo por elas. Rezei para que o Senhor colocasse as pessoas que ele queria na minha vida. E agora, posso dizer honestamente que Ele respondeu minhas orações. Os amigos com os quais Ele me abençoou são insubstituíveis. Tanto durante o funeral da mãe quanto depois, meus amigos demonstraram repetidamente o amor Dele por mim.

E funciona de ambos os modos. Este ano eu ajudei uma melhor amiga se casar e outra melhor amiga a dar à luz a seu primeiro filho. Apesar da minha dor pessoal, eu estava lá nesses momentos. Eu vou fazer pequenas coisas – enviar um cartão em um dia aleatório ou escrever uma carta para um amigo que não tem muito tempo para conversar para que eles saibam que eu estou pensando neles. As amizades são bons lembretes de que, apesar da minha dor, ainda há doçura e gentileza neste mundo. A oportunidade de ouvir os problemas de um amigo ou celebrar as suas conquistas me lembra que Deus tem um propósito para a vida maior que eu. Ou minha dor.

  1. Comemorar aniversários

Os aniversários sempre foram importantes para mim. Na escola primária, implorei ao meu pai que me desse dinheiro para comprar cupcakes e lembrancinhas de festa para meus amigos. Eu adoro organizar festas de aniversário surpresa para as pessoas da minha vida. Minha mãe fez sua grande saída no dia 9 de abril deste ano. Ela faria 54 anos em 2 de outubro. Para comemorar o aniversário da minha mãe, eu toquei sua música favorita, dancei e visitei seu túmulo. Eu sinto a falta dela. E ainda sinto sua presença.

A perda de um pai, às vezes, parece avassaladora e tentará nos roubar a alegria e a esperança. Mas minha mãe não quer que eu pare de viver porque ela não está aqui. Ela iria me envolver, como ela fez na vida: “Você vai viver sua vida, garota!”. Lamentar a perda de minha mãe pode ser uma realidade diária para mim no momento, mas deixar a dor correr, não minha vida, me ajuda a passar pelos dias escuros.

Fonte: https://pt.aleteia.org/

COMENTÁRIOS

Responder

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.