Imagens

0 898

No dia 27 de outubro de 2017, a Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida de Montes Claros mais uma vez realizou uma caminhada penitencial para rezar pelas chuvas. Várias pessoas, entre crianças e adultos participaram desta caminhada, com os pés descalços, rezando o terço da Divina Providência, caminhando pelas ruas do centro da cidade em direção ao cruzeiro da Igreja do Rosário. Ao final houve uma prece e clamor e logo todo o povo de fé molhou a cruz de Cristo, na esperança de que ele escute as suas orações e lhes enviem as chuvas.

 

 

Com a Santa Missa presidida por Frei Valdo (Padre Valdomiro Soares Machado), Pároco da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida de Montes Claros, iniciou-se a Novena em Honra ao Bom Jesus no dia 28 de julho de 2017.

Com a presença de vários devotos, a Santa Missa iniciou-se às 19 horas com muita oração e espiritualidade. Logo após, os fiéis participaram das Barraquinhas com comidas típicas, desfrutando de um ambiente familiar e bastante agradável.

A Novena irá até o dia 05 de agosto, e no dia 06 de agosto (domingo) será a grande Festa do Bom Jesus, com Missa dos Enfermos, procissão e Missa Solene em Honra ao Bom Jesus.

Venha participar e traga a sua família!

 

Neste sábado (13), dia em que a Igreja Católica comemora o centenário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, a Arquidiocese de Montes Claros celebrou a Missa de acolhida de dom João Justino como arcebispo coadjutor de Montes Claros. A Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida acolheu a cerimônia que foi presidida pelo arcebispo dom José Alberto Moura e concelebrada pelo arcebispo de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo; o arcebispo coadjutor, dom João Justino; o bispo de Paracatu, dom Jorge e; o bispo de Januária, dom José Moreira, além de outros bispos.
O arcebispo de Montes Claros, dom José falou sobre a importância da acolhida nesta data em que se comemora os 100 anos das aparições em Fátima. “Acolhemos hoje o sucessor dos apóstolos e também meu, com a minha aposentadoria em 2018. Inicialmente dom João Justino me auxiliará e oportunamente assume como arcebispo titular. Hoje também completa o centenário que Nossa Senhora apareceu aos pastorinhos em Fátima com a mensagem que chamava à oração e de se viver seguindo o Cristo Jesus. Maria é uma marca na história desde que se colocou a serviço do projeto de Deus ao aceitar ser a mãe do Salvador. As aparições reforçam este exemplo e para nós é um estímulo muito grande para que também nós possamos realizar a vontade de Deus”, destacou dom José.
Dom Walmor falou sobre a contribuição de dom João Justino à arquidiocese de Belo Horizonte e desejou sucesso nessa nova missão evangelizadora. “Dom João é um homem de Deus muito bem formado, competente, simples e próximo do povo e a sua passagem por Belo Horizonte foi uma experiência muito rica, além de contribuir muito decisivamente nos trabalhos e pastorais e tenho certeza que, também aqui, oferecerá muito a Montes Claros e o Norte de Minas”, comentou.
Dom João Justino comentou sobre o Evangelho de Lucas, deste sábado que diz: ‘muito mais felizes são aqueles que ouve a palavra de Deus e a põem em prática’; tal qual o Evangelho João, do 4. sábado da Páscoa ‘Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai’. “A experiência de escutar Jesus e acolher a sua palavra é que fortalece a comunhão com o Pai. Na Assembleia Geral dos Bispos, na semana passada foi um tempo bastante intenso de escuta da Palavra de Deus e discernimento à luz da palavra na ação pastoral”, revelou dom João.
O arcebispo coadjutor comentou ainda sobre a fala de dom Walmor durante a Missa de envio, na quarta-feira (10), em Belo Horizonte, em que o arcebispo de Belo Horizonte mencionou que dom João já conhece as Minas e, agora, terá a missão de desbravar as Gerais. “Essa é uma graça muito especial que Deus me concede. Vivi minha vida na Zona da Mata e em Belo Horizonte e agora venho para as Gerais, isso vai completar em mim a mineiridade e conhecer outra realidade do Estado de Minas Gerais que tem uma história rica, uma cultura própria e um bioma diferente – o cerrado. Certamente todos as implicações que tem na vida das pessoas e das comunidades, por isso estou aqui aberto para conhecer essa realidade”, disse