O cristão e as riquezas – Prof. Felipe Aquino

O cristão e as riquezas – Prof. Felipe Aquino

Como eu me relaciono com o meu dinheiro?

Santo Agostinho dizia que já no seu tempo alguns cristãos não entendiam bem a relação entre a pobreza e a riqueza, “o Reino dos céus será do pobres, dos famintos; os ricos são todos maus, como o rico avarento”. Diante dessas opiniões errôneas, Santo Agostinho explica o sentido profundo da riqueza e da pobreza, segundo o espírito evangélico. Então ele escreveu sobre isso no seu Sermão 14. Eis o seu ensinamento:

“Ouve-me senhor pobre, sobre o que dizes. Quando te chamas a ti mesmo Lázaro, aquele santo varão chagado, temo que por soberba não sejas aquele que te dizes…Não desprezes os ricos misericordiosos, os ricos humildes; ou, para o dizer em poucas palavras, não desprezes o que denominei ricos pobres. Oh pobre!, sê tu pobre também; pobre, ou seja, humilde (…).

Ouve-me, pois. Sê verdadeiro pobre, sê piedoso, se humilde; se te glorias de teus andrajos ou da tua pobreza ulcerosa, se te glorias de te assemelhares ao mendigo estendido junto da casa do rico, não reparas senão em que foi pobre e não te fixas em nada mais. Em que vou fixar-me?, dizes. Lê as Escrituras e entenderás o que te digo. Lázaro foi pobre, mas aquele para cujo seio foi levado era rico. ´Sucedeu – está escrito – que morreu o pobre e foi levado pelos anjos ao seio de Abrão´. Para onde? Para o seio de Abraão, ou digamos para o misterioso lugar onde repousa Abraão. Lê (…) e pondera como Abraão foi opulentíssimo na terra, onde teve em abundância prata, família, gados, fazenda; e contudo, este rico foi pobre, pois foi humilde. ´Creu Abraão em Deus, e foi-lhe contado como justiça´(…). Era fiel, praticava o bem, recebeu o mandato de imolar seu filho e não demorou a oferecer o que tinha recebido Àquele de Quem, o tinha recebido. Ficou provado aos olhos de Deus e posto como exemplo de fé”.

O grande São Leão Magno (†460), papa e doutor da Igreja, também falou sobre esta questão. No Início do seu Sermão sobre as Bem-aventuranças (Sermão 95,1-2: PL 54,461-462) ele disse:

“Bem-aventurados os pobres em espírito porque deles é o reino dos céus (Mt 5,3). Seria talvez ambíguo a que pobres se referia a Verdade, se dissesse: Bem-aventurados os pobres, sem acrescentar nada sobre a espécie de pobres, parecendo bastar a simples indigência, que tantos padecem por pesada e dura necessidade, para possuir o reino dos céus. Dizendo porém: Bem-aventurados os pobres em espírito, mostra que o reino dos céus será dado àqueles que mais se recomendam pela humildade dos corações do que pela falta de riquezas”.

A Bíblia Sagrada da conceituada Faculdade de Teologia da Universidade de Navarra, traz o seguinte comentário:

“A pobreza não consiste em algo puramente exterior, em ter ou não ter bens materiais, mas algo mais profundo que afeta o coração, o espírito do homem, consiste em ser humilde diante de Deus, em ser piedoso, em ter uma fé submissa. Se se possuem essas virtudes, e além disso abundância de bens materiais, a atitude do cristão será de desprendimento, de caridade para com os outros homens, e assim agradar a Deus. Pelo contrário, o que não possui bens materiais, abundantes, nem por isso está justificado diante de Deus, se não se esforça por adquirir essas virtudes que constituem a verdadeira pobreza”.

Prof. Felipe Aquino

COMENTÁRIOS

Responder

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.