O estilo mariano de evangelizar

O estilo mariano de evangelizar

Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, ensina o estilo nativo da evangelização, apontando para seu filho.

O que há de novo na evangelização proposta pelo papa Francisco por meio de sua encíclica Evangelii Gaudium pode ser expresso por meio de uma tradição latino-americana a ele tão cara: a experiência que utiliza é o de Maria como “Nossa mãe”; É, aliás, uma experiência religiosa emocional, dada a título de beleza mais típica do povo simples, que segue principalmente através da verdade, mais típica da teologia, para chegar a Deus.

Francisco propõe Maria como modelo, referindo-se a “um estilo Mariano na atividade evangelizadora da igreja; Porque sempre que olharmos para Maria voltamos a acreditar no revolucionário da ternura e afeição” (EG 288).

Não é surpreendente o fato de parecer essa linguagem teológica- existencial do Papa Francisco atrair mais a atenção que, ao associar a ternura de Maria, você queira destacar uma dimensão tipicamente feminina evangelização: de fato, ele nunca se cansa de repetir que a Igreja é mulher, de uma maneira, neste momento, o Papa Francisco vai além de seus antecessores. Não feminismos no papel de Maria, há a plenitude do papel da mulher.

Evangelização com espírito é animar, habitar e enviar pelo Espírito Santo para poder anunciar a verdade do amor com a beleza que salva (EG 261; 265). Aqueles que evangelizam precisam invocá-lo constantemente “e, portanto,” a igreja precisa desesperadamente de um “Pulmão de oração”, “Precisamos nos cultivar um interior do espaço que conceder o sentido cristão para o compromisso e a atividade “(EG 280; 262).

O sopro do espírito se comunica em oração e ação, entrelaçando a invocação e a compaixão e derrama o amor e a ternura de Deus em nos corações enviando-os para anunciar sua boa nova de amor e misericórdia.

Maria Mãe da esperança, aproximando-se, acompanha com carinho, anda com seus filhos. Essas são algumas das ações que expressam a proximidade de Deus e seu espírito em Maria. Os espaços marianos dão um sabor do conjunto de experimentos religiosos que as comunidades têm do manifesto de Maria. É uma autêntica Mariologia inculturada na vida de cada comunidade. A devoção mariana é coberta de várias características culturais e torna-se um caminho de inculturação do Evangelho.

A atividade evangelizadora carrega, além disso, o selo estilo de mãe “porque sua alma é a ternura e afeição” (EG 288). Maria, cheia do Espírito Santo (cf. Lc 1,28), demonstra a dança de ternura e o afeto sobre a visita a sua prima Isabel (1, 39ss), em sua intercessão nas Bodas de Caná (Jo 2), aos pés da Cruz com seu Filho (19, 25ss), a oração perseverante com as mulheres e os discípulos (Atos 1,14).

Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe, ensina o estilo nativo da evangelização, apontando para seu filho: “Jesus é o modelo desta opção que nos leva ao coração da aldeia de evangelizar” (EG 269).

E essa criança que é “nascida de mulher” (Gl 4,4) “leva a” isso, porque você não quer andar sem uma mãe, e a comunidade lê “naquela imagem maternal todos os mistérios do Evangelho” (EG 285). O Espírito que incentivou a evangelização leva os fiéis com estilo maternal, ternura e compaixão, para que estes possam viver tudo isso como Maria.

Assim, a evangelização torna-se capaz de falar a “língua materna” como Maria. A visitação é um ícone da dança da evangelização: anúncio da misericórdia e a ternura de Deus.

Esse estilo materno na evangelização é inseparável de Maria, que é mãe e como tal ícone de ternura e afeição. Também se pode dizer que o estilo materno na evangelização é inseparável do Espírito, Vida, Dom e Conforto de Deus. Finalmente, este estilo materno, que é chamado para todos os batizados, é particularmente manifestado na vida de mulheres.

Em Evangelii gaudium, este estilo maternal está ligado à ternura e ao amor de Maria; todos os batizados são chamados a vivê-la: leigos, consagrados e sacerdotes, mas as mulheres têm um carisma peculiar de ternura. A este respeito, poder-se-ia esperar que “uma presença mais incisiva das mulheres na” Igreja “representam um aprofundamento do estilo maternal da evangelização (EG 103), até onde isto envolve uma nova tarefa dentro do processo de conversão apostólica, que é o chamado da igreja para ir”.

O estilo mariano na atividade evangelizadora da Igreja (EG 288) é o modelo exaltado pelo Papa. Sua proximidade, carinho, solicitude e presença em todas as ocasiões sempre apontando para o seu Filho são características singulares de quem deseja adentrar o seguimento de Jesus.

Roberto Ednísio, teólogo, postulante da CAL

Fonte: https://www.comshalom.org/

COMENTÁRIOS

Responder

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.