Tags Posts tagged with "COMO LIDAR"

COMO LIDAR

0 216

Quanto mais evitamos uma situação, mais ela nos amedronta com pensamentos negativos

É muito comum, ao nos ferirmos em nossos relacionamentos, dizermos frases assim: “Nunca mais vou me envolver com outra pessoa”, “Nunca mais terei alguém”. E, a partir dessas frases, de fato, a pessoa jamais se abre para outras possibilidades ou avalia todas as pessoas ou situações da mesma forma.

Muitas vezes, percepções distorcidas, interpretações exageradas ou extremamente negativas determinarão a forma como passamos a ver o mundo, as pessoas e os relacionamentos. A partir daí, uma espécie de fechamento se dá em nossa vida, e começamos a evitar situações ou pessoas. E quantos de nós já não vivemos isso?

Quais são os seus medos?

Os conceitos que vamos construindo a respeito do mundo estão diretamente ligados às nossas percepções, crenças, cultura e aos nossos valores; muitas vezes, ligados também aos nossos diálogos internos, os quais parecem extremamente reais, ou seja, levam-nos a acreditar em coisas que nem sempre correspondem às verdades dos fatos.

Por exemplo: muitas pessoas se queixam de medos intensos e ficam bloqueadas para fazer algo. Se pararmos e olharmos a fundo, nem sempre esse medo corresponderá a algo possível de ocorrer. Acontece que, ao pensar de forma negativa e disparar uma série de pensamos distorcidos sobre uma situação, todo nosso corpo se mobiliza; então, surgem as fobias, o pânico, o desespero, uma ansiedadeaumentada que, no fim, mexe diretamente com nosso corpo.

Como reconhecer os pensamentos negativos?

Assim como no medo, quando nos confrontamos com uma situação que nos bloqueia, podemos pensar em algumas situações para lidar com tais sentimentos:

1- Procure compreender de onde vem esses sentimentos e se, de fato, eles correspondem a algo possível de ocorrer, ou se não é um exagero dos seus pensamentos;
2- Enfrente uma situação e aja racionalmente, isso ajuda especialmente na superação de uma dificuldade. Quanto mais evitamos uma situação, mais ela nos amedronta;
3- Procure analisar a situação de uma outra forma. Se há, por exemplo, uma dificuldade nos relacionamentos afetivos, não necessariamente você precisa se isolar e se fechar ao outro. Pense o que acontece com seus relacionamentos, quais posicionamentos deve tomar, como vê o mundo e procure uma nova forma de reagir e avaliar seus pensamentos;
4- Quando estiver passando por um momento difícil, procure respirar e avaliar a situação. Não fuja do que está acontecendo e evite uma postura de fechamento. Lembre-se: mesmo que algo não tenha dado certo uma ou mais vezes, não significa que você está condenado a coisas tristes e nunca mais terá um relacionamento positivo.

Quando aprendemos a reconhecer nossos pensamentos, podemos ter uma nova atitude diante dos acontecimentos. Ao deixar de lado ideias negativas, deixamos que uma forma de ver a vida mais racional e equilibrada, faça-se presente. Certamente, todos ao nosso redor receberão os resultados positivos dessa mudança de pensamento e comportamento.

Fonte: https://formacao.cancaonova.com/

Super dicas do Papa Francisco!

A última catequese do Papa Francisco na Audiência Geral antes do encerramento do Jubileu da Misericórdia foi dedicada a “suportar com paciência as fraquezas do próximo”.

“Somos todos muito bons em identificar uma presença que pode nos incomodar: acontece quando encontramos alguém pela rua, ou quando recebemos um telefonema… Imediatamente pensamos: por quanto tempo terei que ouvir as lamentações, as lamúrias, os pedidos ou as fofocas dessa pessoa?’”.

Francisco começou a explicar assim o significado desta obra de misericórdia e assegurou que “acontece também, por vezes, que as pessoas que nos incomodam são aquelas mais próximas a nós: entre parentes há sempre alguém; no trabalho não faltam; nem mesmo no tempo livre estamos isentos”.

Então, “o que devemos fazer?”. “Por que entre as obras de misericórdia foi também inserida esta?”, perguntou aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro.

O Papa recordou que na Bíblia “vemos que o próprio Deus deve usar a misericórdia para suportar as lamentações do seu povo”.

“Fazemos alguma vez exame de consciência para ver se também nós, às vezes, podemos ser pessoas incômodas aos outros?”, questionou. “É fácil apontar o dedo contra os defeitos e faltas dos outros, mas devemos aprender a nos colocarmos no lugar do outro”.

Francisco convida a “olhar para Jesus”. “Quanta paciência teve nos três anos de sua vida pública!”. “Jesus ensina a ir sempre ao essencial e olhar além para assumir com responsabilidade a própria missão. Podemos ver aqui também uma recordação de outras duas obras de misericórdia espirituais: a de advertir os pecadores e ensinar os ignorantes”.

“Pensemos também no grande compromisso que se pode ter quando ajudamos as pessoas a crescer na fé e na vida. Pensemos, por exemplo, nos catequistas, entre os quais existem tantas mães e tantas religiosas que dedicam tempo para ensinar às crianças os elementos básicos da fé”. “Quanta fadiga, sobretudo, quando os jovens prefeririam jogar em vez de escutar o catecismo”.

Em suma, “acompanhar na busca do essencial é muito bonito e importante, porque nos faz compartilhar a alegria de aproveitar o sentido da vida”.

“Frequentemente acontece que se encontram pessoas que se detêm em coisas superficiais, efêmeras e banais. Às vezes, porque não encontraram alguém que as estimulasse a procurar algo diferente e apreciar os verdadeiros tesouros”.

Em seguida, o Pontífice explicou que “ensinar a olhar o essencial é uma ajuda determinante, especialmente em um tempo como o nosso, que parece ter perdido a orientação e seguir satisfação de curto prazo”.

Deve-se “ensinar a descobrir o que o Senhor quer de nós e como podemos corresponder; isso significa colocar no caminho, crescer na própria vocação, na estrada da verdadeira alegria”.

No entanto, não se deve esquecer que “a exigência de aconselhar, advertir e ensinar não deve nos fazer sentires superior aos outros, mas nos obriga, antes de tudo, a entrarmos em nós mesmos para verificar se somos coerentes com aquilo que pedimos aos outros”.

Fonte: ACIdigital

Galeria de Fotos