O erro de idealizar um amor do passado





O amor juvenil é como uma bóia sentimental à qual nos agarramos a cada desapontamento ou momento de dúvida. Mas pensar no passado às vezes pode ser perigoso. Como você pode se despedir do seu primeiro amor que assombra sua mente e coloca uma tensão em sua vida de casado?

 

 

“Encontrei o amor dos meus 20 anos, e sinto os mesmos sentimentos que tinha então, confessa Léa, tanto envergonhada. Sinto que finalmente serei capaz de realizar o que não pude fazer no passado. Mas eu sou casada e mãe de três adolescentes”.

E ela conta como este amor juvenil foi frustrado por circunstâncias externas contra as quais os jovens da época não podiam lutar.

A circunstância atual colocou Lea num passado em que tudo era possível. Um retorno a um Eldorado apaixonado, romântico como se poderia desejar. Uma maneira de anular vinte anos de sua vida durante os quais foram construídas relações conjugais e familiares, nas quais Léa está muito envolvida.

Entre a fantasia e a realidade

Léa fala de seu marido com ternura, mas sem a paixão que a devora quando fala de seu primeiro amor.

“Estamos cada um muito ocupado profissionalmente e, quando estamos em casa, lidamos com emergências: limpeza doméstica, escolaridade de nossos filhos, planejamento de férias…”

Uma rotina triunfou sobre seu relacionamento conjugal. “Eu diria até mesmo um certo aborrecimento”, diz ela, melancólica.

Após alguns anos de vida de casados, os cônjuges podem de fato sentir um certo cansaço ou mesmo desapontamento em sua vida diária devido às restrições comuns: ser um bom cônjuge, um bom pai, ter um bom desempenho na vida profissional, disponível para os amigos.

Então pode-se começar a sonhar que com outro, especialmente com um primeiro amor que foi frustrado em seu tempo, a vida assumirá uma tonalidade mais leve, alegre, apaixonada. Uma juventude recuperada, por assim dizer.

Mas não estamos em um mundo imaginário que reconstruiu relações que provavelmente não são tão simples, tão bonitas, tão puras?

A memória é reconstruída de acordo com o que queremos que ela seja: acrescentamos, omitimos, misturamos o verdadeiro e o falso. Tudo isso muitas vezes sem se dar conta! E os lamentos surgem. Mas será que eles são realmente justificados?

Para se encontrar em tais sentimentos mistos, é necessário que a pessoa coloque em perspectiva o compromisso sacramental que infalivelmente a vincula a seu marido ou sua esposa com o renascimento deste amor sem dúvida quimérico.

Isto é claramente contraditório ao espírito do sacramento do matrimônio com o qual ela se comprometeu livremente e que envolve mais do que somente a si mesma: o cônjuge, os filhos, e até mais além.

Assim, será possível superar este ressurgimento de sentimentos passados prejudiciais ao seu compromisso, obtendo ajuda. Humildemente e com coragem.

A idealização do passado (e de um amor do passado) está muito longe da realidade concreta e é simplesmente falsa.

Pensar que o “príncipe” ou “princesa” do passado voltaria para resolver toda sua carência afetiva é mera fuga da realidade e uma atitude imatura, cujas consequências podem ser graves para sua vida real e verdadeira.

Fonte: Edifa / pt.aleteia.org