Como reacender a chama do amor nos olhos do cônjuge?





No início do relacionamento, o casal se olha com fascínio e admiração. Mas, alguns anos depois do casamento, esta “faísca” desaparece. O que pode ser feito para garantir que ainda brilhe nos olhos do casal?

 

 

É algo comovente: surpreender dois cônjuges que se olham, que mesmo sem dizer uma palavra se contemplam deslumbrados e felizes. O rosto é a parte do corpo que mais revela a pessoa e evidencia sua singularidade. Embora o rosto não diga tudo sobre o outro, é a tela onde cada um tenta perceber o movimento do coração do amado, penetrar em seu mistério, a sinceridade de seus sentimentos, suas emoções mais escondidas.

E como é triste ver a indiferença nos olhos de seu cônjuge. Você não pode parar de se perguntar se ainda existe amor, se ele ainda tem interesse em você, já que ele não tenta mais ler o universo dos seus sentimentos em seu rosto. Seu sofrimento é então compreensível porque a indiferença mata mais do que ódio, que muitas vezes nada mais é do que um amor frustrado. Mas então o que você pode fazer para despertar mais desejo e admiração nos olhos de seu cônjuge?

 

Recriar as condições adequadas

A solução para a sua frustração seria primeiro descobrir por que seu cônjuge perdeu o hábito de olhar para você. Se fosse um declínio ou uma ausência de amor, seria importante recriar as condições em que pode renascer: não se deve sobrecarregar o cônjuge sobrecarregando-o de atenções, não se deve ser aquele mendigo de amor que, mais que admiração, pode despertar um sentimento de pena. E não se deve ser, como dizia Nietzsche, “o dragão do seu tesouro”, obrigando-o a amar, porque o amor só floresce na liberdade. Trata-se de recuperar a auto-confiança, de ser atraente apenas pelo fato de ser atraente, e não, em primeiro lugar, de recuperar o afeto perdido.

Outras razões também podiam explicar esse afastamento. Por exemplo, pode ser que as preocupações diárias do seu cônjuge, a sobrecarga das tarefas familiares, tenham se tornado uma prioridade para ele ou ela: “Não temos tempo para nos aconchegar! Há coisas mais urgentes para fazer!” A rotina foi se enraizando progressivamente no relacionamento. Também pode ser atribuído a uma reclamação fundamental recorrente, revelada por uma atitude frequentemente agressiva.

 

O incrível poder do olhar

Finalmente, é possível que alguém que duvida do amor do outro esteja inclinado a buscar aquele olhar que espera: você olha menos quando olha demais! “Ele está me oprimindo com seus olhares”, disse uma mulher. E, neste caso, muitas vezes é suficiente olhar menos para que seu cônjuge, temendo então não contar mais, tente adivinhar o que está acontecendo e olhe mais.

Cuidado com qualquer repreensão, podemos dizer o quanto gostaríamos de reviver os momentos de outrora em que cada um lia nos olhos do outro aquele pequeno brilho de admiração, aquela estrelinha de amor que faz brilhar os olhos e os ilumina. O poder de um olhar é incrível. O Evangelho mostra-o maravilhosamente quando o olhar amoroso de Cristo pousou sobre o jovem rico ou sobre Pedro no momento da sua negação.

Fonte: Edifa / pt.aleteia.org