Coronavírus: o que os católicos devem fazer?





Conselhos de Tim Flanigan, especialista em doenças infecciosas e diácono

Enquanto a doença do coronavírus (COVID-19) continua infectando mais e mais pessoas em todo o mundo, e enquanto a ciência procura encontrar uma maneira de conter a propagação desse vírus antes que se torne uma pandemia, nós, como católicos, precisamos nos perguntar como nos comportar.

Existem dois níveis nessa questão: um referente às diretrizes de segurança que devemos adotar e outro referente à nossa responsabilidade como cristãos diante dessa doença ainda em grande parte misteriosa.

Conversamos com o Dr. Timothy Flanigan, professor de medicina na Brown Medical School e especialista em doenças infecciosas nos hospitais Miriam e Rhode Island, e diácono católico da Diocese de Providence, que trabalhou como voluntário na Libéria por meses durante a crise do ebola.

Courtesy of Dr. Tim Flanigan

 

Como devemos nos comportar em relação ao coronavírus? Quais são as normas básicas de saúde e higiene que todos devemos observar?

Este vírus é transmitido de maneira semelhante à gripe. Durante o surto, não devemos apertar as mãos nem beijar, mas sim sorrir, acenar com a cabeça e cumprimentar de uma maneira muito amigável, mas sem tocar. Se alguém estiver doente com uma doença respiratória, deve ficar em casa até melhorar. Resfriados e outros vírus complicam a situação, portanto, quanto menos infecções respiratórias durante o período de um surto, melhor. Não há problema em nos reunir, mas é bom evitar aglomerações muito próximas. Ficar a um metro de distância dos outros é chamado de “distanciamento social”, e isso demonstrou diminuir a propagação de vírus respiratórios.

 

Que tipo de medidas você acha que um bispo deveria tomar para evitar a propagação do vírus nas igrejas de sua diocese?

Eu recomendaria neste momento não compartilhar o cálice. Os sacramentos são muito, muito importantes em tempos difíceis de crise. Os sacramentos podem ser ministrados com segurança. A hóstia pode ser fornecido a uma pessoa sem contato pele a pele, colocando-o na mão. É um bom momento para evitar o aperto de mão da paz. Todos podemos nos cumprimentar com um grande sorriso, mas não precisamos apertar as mãos. Devemos garantir que nossos sorrisos sejam duas vezes maiores. Precisamos ajudar os outros. Durante esse período difícil, podemos visitar aqueles que estão enfrentando dificuldades financeiras ou socialmente isolados. Podemos visitá-los com segurança e ajudar com segurança. A chave é evitar tocar, lavar bem as mãos e ficar a um braço de distância.

 

Vamos falar de médicos e hospitais católicos. Como eles podem ser testemunhas da fé na atual crise epidêmica? Qual poderia ser seu valor agregado?

O testemunho de médicos e profissionais de saúde e, mais importante, de enfermeiros é incrível. Estou convencido de que o Céu estará cheio de enfermeiras. Haverá médicos lá, mas acho que é porque as enfermeiras vão dizer: “poderia deixá-los entrar”. Os enfermeiros estão no centro dos cuidados de saúde. Eles são os heróis e são muito corajosos.

 

O que as pessoas precisam saber sobre essa epidemia? Você acha que a mídia está realmente ajudando as comunidades a entender e enfrentar o vírus corretamente?

A mídia pode ser uma grande ajuda para impedir a disseminação comunitária de doenças virais. Mas a mídia também pode ser uma grande aliada do vírus quando a informação está incorreta ou quando é superficial. O vírus da má informação é tão perigoso quanto o coronavírus. Esta é uma prioridade. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e a Organização Mundial da Saúde fornecem informações muito boas e devemos utilizá-la o tempo todo.

 

De que maneira a comunidade católica pode contribuir para ajudar as pessoas mais vulneráveis ​​(como os sem-teto, os idosos) agora que a epidemia é uma ameaça real?

Nos últimos 2.000 anos, a Igreja Católica ajudou os mais necessitados. Os hospitais foram iniciados por mosteiros. Permanecemos prestando cuidados como Igreja quando outros fogem. Isso continua hoje.

O sociólogo americano Rodney Stark, autor de The Rise of Christianity (1996), explica como nos primeiros séculos da era cristã o comportamento dos cristãos durante as epidemias foi decisivo: eles não fugiram das cidades como os pagãos e não fugiram das outras pessoas, mas, motivados pela fé, eles se visitaram e se apoiaram, oraram juntos e enterraram os mortos.

O testemunho que os católicos podem oferecer ao mundo neste momento difícil é estar presentes: é o testemunho mais forte possível.

 

aleteia.org

Fonte: Silvia Costantini