Os santos arcanjos, muito mais do que mensageiros de Deus





São Rafael, São Miguel e São Gabriel. No final de setembro, a Igreja convida-nos a comemorar esses santos que são diferentes dos demais

 

 

No dia 29 de setembro, a Igreja comemora os arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael. É a festividade desse dia. Eles são uns super anjos, os mais leves! Como todos os anjos, eles são enviados por Deus ao povo: “Louvem o Senhor, os senhores louvem os seus anjos, campeões que cumprem a sua palavra e obedecem ao seu comando” (antiga introdução).

Os arcanjos vêm em primeiro lugar entre as criaturas espirituais. Muitas vezes são enviados em missões impossíveis. Esses agentes muito especiais sempre estão diante de Deus e O servem dia e noite. Quando saem do anonimato, levam o nome de uma pessoa e, com esse nome, uma função.

 

O lutador, o diplomata e o compassivo

O primeiro é o líder, Miguel, cujo nome significa “quem é como Deus?”, Lutador do Dragão. É o maior dos espíritos angelicais. Ele é o lutador por excelência contra as forças do Mal. Quando Deus precisa de um anjo forte e rápido, Ele envia o arcanjo Miguel.

Em seguida, vem Gabriel, o diplomata, cujo nome significa “homem de Deus”. O livro de Daniel apresenta Gabriel como um anjo intérprete. Ele é mais conhecido no Novo Testamento por suas aparições a Zacarias e Maria. Quando Deus quer fazer um grande anúncio, Ele envia o arcanjo Gabriel.

Por último, há o compassivo Rafael, que significa “Deus cura”. Este anjo bondoso acompanha o jovem Tobias para que ele tenha uma boa viagem. Ele avisa os peregrinos e viajantes e também liberta os espíritos malignos. Ele se apresenta como um dos sete anjos que estão diante de Deus, oferecendo-lhe nossas súplicas gratuitamente. Quando Deus quer avançar alguém no caminho da vida, Ele envia o arcanjo Rafael.

 

Quando os arcanjos nos enviam sinais discretos

Estes arcanjos da luz nos dizem como Deus é lindo. Com os outros anjos anônimos, eles nos enviam sinais discretamente, sem forçar nenhuma porta: é uma intuição para fazer o bem, uma queda evitada por pouco, uma ajuda para sermos nós mesmos, uma voz de discernimento, um gesto no momento certo, uma alegria de viver o momento presente.

Quando comemoramos a festividade dos arcanjos, a Igreja nos diz que não estamos sozinhos na terra. Eles lutam conosco contra as forças das Trevas. Acima de tudo, eles nos convidam a louvar à Deus e fazer pausas de adoração com eles. É então que podemos ouvi-los passar, com ou sem asas, no amoroso silêncio da oração.

 

 

Jacques Gauthier

Fonte: Edifa / pt.aleteia.org