Papa: Jesus reza conosco; Ele ofereceu-nos a sua própria oração





"Tenhamos confiança nisto! Se tivermos confiança, então ouviremos uma voz do céu"

 

 

O Papa Francisco afirmou hoje que Jesus reza conosco e “Ele ofereceu-nos a sua própria oração, que é o seu diálogo de amor com o Pai”.

Em sua catequese semanal com os peregrinos na Sala Paulo VI, o Papa falou sobre o tema “Jesus, homem de oração”.

Inicialmente, o Papa recordou que o primeiro ato público de Jesus é a participação numa oração comum do povo, uma prece do povo que se faz batizar, uma oração penitencial, na qual todos se reconhecem pecadores.

 

Por isso, o Batista gostaria de se lhe opor, dizendo: «Eu é que devo ser batizado por ti. E Tu vens a mim?». O Batista compreende quem é Jesus.Mas Jesus insiste: o seu é um ato que obedece à vontade do Pai, um ato de solidariedade para com a nossa condição humana. Ele reza com os pecadores do povo de Deus.

 

Jesus reza conosco

O Papa Francisco explicou que Jesus é o Justo, não é um pecador. “Mas Ele queria vir até nós, pecadores, e Ele reza conosco, e quando rezamos Ele está conosco a rezar; Ele está conosco porque está no céu a rezar por nós. Jesus reza sempre com o seu povo, reza sempre conosco: sempre. Nunca rezamos sozinhos, rezamos sempre com Jesus”.

 

Jesus não é um Deus distante, e não o pode ser. A encarnação revelou-o de forma completa e humanamente impensável. Assim, ao inaugurar a sua missão, Jesus coloca-se à frente de um povo de penitentes, como se estivesse encarregado de abrir uma brecha pela qual todos nós, depois d’Ele, devemos ter a coragem de passar. Mas a via, o caminho, é difícil; mas Ele vai abrindo o caminho.

De acordo com o Papa, “orando, Jesus abre a porta do céu, e daquela brecha desce o Espírito Santo”.

 

Eis a grandeza única da oração de Jesus: o Espírito Santo apodera-se da sua pessoa e a voz do Pai atesta que Ele é o amado, o Filho em quem se reflete plenamente.

 

Implorar que a prece de Jesus se torne a nossa

Por esta razão – prosseguiu o Papa Francisco –, “se numa noite de oração nos sentirmos fracos e vazios, se nos parecer que a vida tem sido completamente inútil, nesse momento devemos implorar que a prece de Jesus se torne também a nossa”.

“Hoje não posso rezar, não sei o que fazer: não me apetece, sou indigno, indigna”. Neste momento, devemos confiar n’Ele para que reze por nós. Neste momento, Ele está diante do Pai a rezar por nós, é o intercessor; mostra ao Pai as feridas por nós. Tenhamos confiança nisto! Se tivermos confiança, então ouviremos uma voz do céu, mais alta do que a voz que se eleva da nossa ignomínia, e ouviremos esta voz sussurrar palavras de ternura: “Tu és o amado de Deus, tu és filho, tu és a alegria do Pai que está nos céus”.

 

Jesus reza conosco, enfatizou o Papa, e reza oferecendo sua própria oração.

 

Jesus ofereceu-nos a sua própria oração, que é o seu diálogo de amor com o Pai. Concedeu-no-la como uma semente da Trindade, que quer criar raízes no nosso coração. Acolhamo-la! Acolhamos este dom, o dom da oração. Sempre com Ele. E não nos enganaremos.

Fonte: Reportagem local