Podemos ser bons sem Deus e sem a Igreja?





Todo ser humano anseia pelo bem em seu coração, mas há algo na fé que faz a diferença

 

 

Podemos ser bons ser Deus?, pergunta o apologista católico Todd Aglialoro em seu blog. E responde dizendo que, sem dúvida, há pessoas não crentes que são boas pessoas, mas que ter fé faz uma grandíssima diferença. E dá quatro poderosas razões:

 

1. Deus determina o que é bom. Por nós mesmos, poderíamos considerar bom roubar ou matar, seria o caos. Só Deus tem autoridade para definir o que é bom.

2. Deus oferece uma perspectiva eterna. Saber que o que fazemos aqui determina onde passaremos a eternidade nos motiva a ser bons, ao contrário de quem pensa que não existe um Deus a quem um dia prestará contas.

3. Deus nos dá um verdadeiro humanismo. Todos nós amamos nossos entes queridos e ajudamos os necessitados, mas os crentes estão dispostos a fazer algo que muitos não crentes consideram insensato e inclusive repulsivo: amar os inimigos, perdoar, fazer o bem a quem nos fez um mal, defender a vida da concepção até seu fim natural.

4. Deus dá sua graça. Todos nós pecamos, mas os crentes contam com a graça de Deus para livrar-se do pecado.

 

Conclusão

O apologista conclui que precisamos de Deus para ser verdadeiramente bons.

E há quem pense que só precisa de Deus, mas não da Igreja. Mas será que podemos sem bons sem a Igreja?

Assim como no caso anterior, a resposta é que, para ser verdadeira e plenamente bons, precisamos da Igreja. Consideremos estas quatro razões:

 

1. A Igreja ajuda a interpretar a vontade de Deus e aplicá-la à nossa vida cotidiana. Conhecemos Deus por meio da Bíblia, mas a Bíblia pode ter muitas interpretações; há inclusive quem a cita para defender atos ruins. Para entendê-la corretamente e aproveitá-la para bem próprio e alheio, precisamos da Igreja, fundada por Cristo e conduzida pelo Espírito Santo.

2. A Igreja nos integra à grande família de Deus e nos convida a construir e habitar, desde agora, o Reino dos céus. Ela nos incentiva a ser bons, a rezar, a imitar Jesus, a aproveitar os exemplos e ensinamentos de crentes sábios e santos de todos os tempos. Em um mundo para o qual o que é bom se apresenta como mau e vice-versa, a Igreja é uma referência indispensável para não perder a bússola.

3. Na Igreja, aprendemos a pedir perdão e a perdoar, a amar como Cristo nos ama, a fazer o bem a todos. Pertencer à Igreja é pertencer à instituição que oferece mais ajuda humanitária no mundo inteiro, sem distinção de credos, etnias, condição econômica, política ou social.

4. A Igreja nos dá, por meio dos sacramentos, a graça divina indispensável para poder cumprir o que Jesus nos pediu (cf. Lucas 6, 35; Mt 5, 48) e ser não só bons, mas santos.

Fonte: pt.aleteia.org