África e América Latina voltam a receber ajuda do Fundo Covid-19





O coronavírus afeta também os locais mais remotos da África e América Latina, agravando a pobreza de populações que já passavam por dificuldades antes da pandemia. A Igreja nestes locais também teve seu trabalho missionário e pastoral afetado pela pandemia. O fundo instituído pelo Papa Francisco junto às Pontifícias Obras Missionárias vai em socorro destas populações e da Igreja missionária.

 

,

“A pandemia acentuou a difícil situação dos pobres e o grande desequilíbrio que reina no mundo. E o vírus, sem excluir ninguém, encontrou grandes desigualdades e discriminações no seu caminho devastador. E aumentou-as!”, disse o Papa Francisco na Audiência Geral de 19 de agosto.

Para responder às consequências da pandemia de Covid-19, que não são apenas de natureza sanitária, o Papa criou um Fundo de Emergência junto às Pontifícias Obras Missionárias (POM), que há vários meses está respondendo aos pedidos de dioceses de todo o mundo missionário, marcado pela pobreza e pelas desigualdades que se agravaram neste período. As últimas ajudas foram enviadas a várias circunscrições eclesiásticas da África e da América Latina.

 

Ruanda

Em Ruanda, onde são ainda vivas as consequências da longa guerra fratricida que dificultam o trabalho da evangelização, são quatro as dioceses às quais o Fundo de Emergência das POM enviou as ajudas solicitadas, que serão utilizadas pelas paróquias sobretudo para a compra de medicamentos e a prevenção necessária para equipar os locais de culto e assim permitir a retomada das celebrações com segurança.

As Igrejas particulares de Gikongoro, Cyangugu, Kigali e Nyundo foram severamente provadas pela pandemia, tanto a nível pastoral como econômico. Não obstante tenha dado bons frutos o esforço para tornar os leigos responsáveis pela missão da Igreja também no que tange às necessidades materiais, o caixa das paróquias está vazio. A suspensão das celebrações e da administração dos sacramentos, a interrupção das aulas de catecismo e das atividades de grupo, bem como a perda do trabalho de muitos, impossibilitaram, de fato, receber as ofertas e contribuições financeiras dos fiéis.

 

Senegal

Também a Diocese de Saint Louis, como as outras dioceses do Senegal, enfrentou dificuldades consideráveis ​​após as medidas adotadas para enfrentar a pandemia de Covid-19. A grave crise financeira decorrente da suspensão das atividades pastorais, tornou impossível, desde o mês em março, a coleta de ofertas que ajudam os padres a sobreviver. Por esse motivo, a diocese pediu a ajuda do Fundo das POM, visto a impossibilidade de garantir o sustento dos seus sacerdotes que continuam empenhados na evangelização e nas obras de assistência.

 

Madagascar

Em Madagascar, caracterizado há muito por uma "economia de sobrevivência", a situação se tornou dramática com a pandemia. A diocese de Farafangana, que vive uma situação semelhante à de todo o país, sofreu graves consequências em todos os setores: o isolamento bloqueou os agricultores e pequenos comerciantes que sobreviveram vendendo seus produtos nos mercados; os pais não podem fornecer alimentação diária para a família, comprar medicamentos, pagar as mensalidades escolares; o sistema de saúde se tornou ainda mais precário.

Em particular dificuldade, as 42 escolas católicas da diocese, muitas das quais tiveram que ser fechadas e para as quais serão destinados recursos do Fundo das POM. As crianças já não vão à escola, os pais, pela falta de trabalho, não têm como pagar mensalidades e os professores estão sem salário desde março, sem falar que a diocese não tem mais recursos econômicos.

 

Zâmbia

A população da Diocese de Solwezi, localizada na região noroeste da Zâmbia, vive essencialmente da agricultura de subsistência. Apenas duas paróquias são autossuficientes economicamente, enquanto todas as outras dependem do apoio da diocese. Como resultado do isolamento, muitos perderam os seus empregos, a economia foi duramente atingida e muitas crianças e idosos necessitados recorrem às paróquias em busca de alimentos. Em busca de um sustento mínimo, muitos se deslocam sem proteção sanitária. Assim, os recursos enviados serão usados ​​pela diocese para a compra de alimentos e material de proteção para as famílias mais carentes.

 

Colômbia

A América Latina também está sendo duramente atingida pela pandemia, que agravou a pobreza e a marginalização. Na Colômbia, a ajuda do Fundo das POM servirá para apoiar os sacerdotes do Vicariato Apostólico de Puerto Carreno, empenhados na evangelização de indígenas, camponeses e colonos. Normalmente, eles vivem de pequenas ofertas dos fiéis, mas com a suspensão das Missas e dos encontros pastorais, eles não têm como se sustentar e o próprio Vicariato Apostólico não tem recursos para prover.

 

Equador

Também no Equador, no Vicariato Apostólico de Napo, é necessário garantir a alimentação e meios de transporte para 24 sacerdotes que se empenham ativamente no anúncio do Evangelho e nas obras de assistência social, percorrendo diariamente grandes distâncias, além de fornecer os medicamentos necessários para 5 sacerdotes doentes.

 

Venezuela

No Vicariato Apostólico de Puerto Ayacucho, na Venezuela, duas comunidades de Irmãs Missionárias da Consolata, necessitam particularmente da ajuda das POM. Habitualmente empenhadas em atividades pastorais, educativas e assistenciais para crianças de famílias marginalizadas, a quem oferecem assistência de base e uma alimentação mínima, sua vida ficou ainda mais difícil com a pandemia.

Fonte: vaticannews.va/pt