Investiga-se origem criminosa do incêndio na catedral de Nantes





Bispos franceses: “Não é apenas um patrimônio religioso destruído, mas um símbolo da fé católica danificado”

 

 

Pouco mais de um ano após o incêndio que causou grandes estragos na catedral de Notre-Dame de Paris e deixou o mundo consternado, as chamas voltaram a agredir brutalmente mais uma catedral francesa, a de Nantes.

Segundo as primeiras investigações, o fogo começou por volta das 7h30 da manhã. Não demorou para que os moradores dos arredores vissem pela grande rosácea gótica da fachada as labaredas no interior da igreja. Mais de cem bombeiros de toda a região acorreram para salvar a catedral, concentrando esforços no grande órgão, que havia sido um dos primeiros alvos do fogo, e nas obras de arte das paredes do templo.

 

A linha de investigação é a de um incêndio criminoso. O canal de notícias BFM divulgou a detenção de um voluntário que teria fechado a igreja na véspera do incêndio. O promotor Pierre Sennès, porém, enfatizou que “qualquer interpretação que possa implicar o envolvimento desta pessoa no que aconteceu é prematura e precipitada”. Segundo ele, não foi encontrado “nenhum sinal de entrada forçada”. O homem detido foi solto por falta de provas.

O comunicado da Conferência Episcopal Francesa registrou:

“Não é apenas um patrimônio religioso que é destruído, mas também um símbolo da fé católica que é danificado, ferindo o coração dos católicos que ali encontram abrigo espiritual e ponto de referência para a sua fé”.

Fonte: Redação da Aleteia / pt.aleteia.org