Praça de São Pedro reabre após mais de dois meses





Papa Francisco se dirigiu brevemente à janela do Palácio Apostólico para saudar os peregrinos que rezavam o Regina Coeli

 

Praça de São Pedro, no Vaticano, foi reaberta nesse domingo, após ficar fechada por cerca de dois meses e meio, devido às medidas de isolamento social para conter a pandemia do novo coronavírus.

Não foram permitidas aglomerações na praça. Os fieis obedeceram às orientações de distanciamento físico uns dos outros.

Mas, pela primeira vez em muitas semanas, foi possível rezar um pouquinho junto com o Papa Francisco.

Como estava previsto, o Papa rezou o Regina Coeli da Biblioteca do Palácio Apostólico e somente no final foi até a janela para saudar os presentes.

Em sua fala, o Papa comentou a solenidade da Ascensão do Senhor.

O passagem do Evangelho de Mateus mostra os Apóstolos que se reúnem na Galileia, e no monte se realiza o último encontro do Senhor ressuscitado com os seus.

Desta vez, no monte, Jesus não age nem ensina, mas confia aos discípulos a tarefa de continuar a sua obra.

Jesus diz: «Portanto, ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei!» ( v. 19-20).

A missão confiada aos Apóstolos é: anunciar, batizar e ensinar a caminhar na via traçada pelo Mestre, isto é, o Evangelho.

 

Disse o Papa:

Esta mensagem de salvação implica antes de tudo o dever do testemunho, sem testemunho não se pode anunciar, ao qual também nós, discípulos de hoje, somos chamados para dar conta da nossa fé.

 

Segundo o Papa, diante de uma tarefa tão difícil, e pensando nas nossas fraquezas, nos sentimos inadequados, mas não se deve desencorajar, recordando as palavras que Jesus dirigiu a eles antes de subir ao Céu: «Eis que eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo’.» (v. 20).

Esta promessa – disse o Papa – garante a presença constante e consoladora de Jesus entre nós, que se dá por meio do seu Espírito. Ele conduz a Igreja a caminhar na história como companheira de cada homem.

Com a promessa de permanecer conosco até o fim dos tempos, Jesus inaugura o estilo de sua presença no mundo como Ressuscitado: uma presença revelada na Palavra, nos Sacramentos, na ação constante e interior do Espírito Santo.

 

A festa da Ascensão nos diz que, embora tenha subido ao Céu para habitar gloriosamente à direita do Pai, Jesus está ainda e sempre entre nós: disso vêm a nossa força, a nossa perseverança e a nossa alegria. Justamente da presença de Jesus entre nós com a força do Espírito Santo.

 

O Papa concluiu pedindo a intercessão de Nossa Senhora para que “acompanhe nossa viagem com sua proteção materna: dela aprendemos a doçura e a coragem de sermos testemunhas no mundo do Senhor Ressuscitado”.

Fonte: Redação da Aleteia / pt.aleteia.org